Casa da Li: quase minha segunda casa

ESTABELECIMENTO FECHADO

Lasanha da Li: uma das melhores de São Paulo

Conheci a Li ano passado, logo que ela abriu sua rotisserie, que também funciona como restaurante, corretamente chamada de Casa da Li– está mesmo sempre cheia de amigos. De cara, já gostei dela (simpatia em pessoa), além de ter caído de amores por sua comida, feita com paixão, talento e carinho evidente.

Antepastos: patê de fígado e tomates assados com azeite e alho

Outro dia, felizona enquanto me matava numa porção de pastel de rabada(R$ 20), notei que a Casa da Li é o restaurante em que mais vezes comi durante este ano. Perdi a conta de quantas– e olha que é difícil eu voltar mais de duas vezes no mesmo, porque senão esse blog teria apenas meia dúzia de posts rotativos. É fácil saber porque gosto tanto de lá: me sinto em casa. Mesmo.

DELICIOSA terrine de coelho com compota de figo

Lá não existe frescura: o ambiente é simples, a cozinha é aberta, o menu muda sempre que a chef encontra ingredientes frescos e sazonais e o serviço é super simpático, apesar de ser lento quando o salão está cheio. Me sinto tão em casa que fico horas à mesa conversando com meus amigos enquanto como pratos que só admitia serem feitos pela minha mãe, caso do delicioso guizado de moela no vinho tinto, que vai bem duuuuuuuuuum tanto com spiraloni (R$ 22)ou polenta cremosa (R$ 30), do patê de fígado, que esparramo generosamente sobre torradas caseiras finíssimas, e da deliciosa lasanha de massa caseira, entremeada de mussarela e molho bolonhesa com cubinhos de cenoura (R$ 23 o prato, mas também é vendida a quilo).

Pasteizinhos de rabada

Minha rotina é sempre a mesma: sento, peço uma coca light com gelo e limão, pergunto se tem moela (viciei total!), pergunto se tem alcachofra fartamente recheada com farofa de pão, alho, aliche e alcaparras. Com duas afirmativas, apaziguo minha ansiedade e vou comendo a torradinha com o patê e o tomate assado com azeite e alho (R$ 9 cada 100 gramas) enquanto aguardo. Então, mando uma garrafa da Delirium Tremens. Se estiver muito, mas muito animada, ainda mando um pedação de terrine de fígado de porco. A comida chega e eu quase me lambuzo com alcachofra enquanto espero ou a) moela com massa ou b) moela com brasileirinho.

A moela da Casa da Li: a melhor da minha vida

Brasileirinho é o prato executivo composto por uma entradinha (sopinha–a  de pinhão com carne seca é divina– ou salada da horta), arroz no azeite, feijão preto na cachaça, delícia de vinagrete de banana e uma opção de massa ou carne. Daí, nas carnes, tem lombo, moela, língua, galetinho… A sobremesa, bolo inglês com sorvete, também está incluso. Custa R$ 24,50 durante a semana e R$ 29,50 aos finais de semana.

A divina vinagrete de banana que acompanha o menu Brasileirinho, servido todos os dias

Enquanto como o meu prato, belisco o prato do meu acompanhante. Sanduba de porchetta (R$ 22), o carro chefe da Li (se você comer vai entender a razão) ;uma mistura de morrer de figo assado recheado com fígado, chamada de Figo com Figo (R$ 22); arrozinho de pato (R$ 30) e o que tiver na minha frente. Quase nunca como doce porque nem cabe. Mas também, tudo bem: se eu ficar com vontade de alguma coisa, volto no dia seguinte. Feito casa de mãe. Casa da Li: Rua Aspicuelta, 23, Vila Madalena, Tel:3871-1002

Fazer um comentário

Seja bem-vindo. Sua opinião é importante. Comentários ofensivos ou com identidades falsas serão reprovados.