Don Curro: alguns clássicos se mantém dignos do título

Para mim, a melhor lula en su tinta de São Paulo

Clássicos são perigosos: os anos, décadas, passam, e deles pode ficar apenas o nome. O que os tornou um clássico- a qualidade da comida, o nível do atendimento- se esvai, mas os saudosistas negam-se a acreditar e seguem o mantendo  no seu panteão pessoal. Por isso, tenho cuidado: clássicos podem continuar de pé muito mais por saudades de seus anos de glória do que por mérito presente. Mas o Don Curro, um mega clássico paulistano, continua bom como sempre. Farto. Cuidadoso. Garçons eficientes. Caro, decerto, mas de uma qualidade e tanto.

Couvert; torradinha com alecrim e jamón; o mestre, anos e anos cortando jamón com perfeição

Fui almoçar lá um domingo desses e, pra variar, o amplo grande salão estava lotado. Em sua maioria, por famílias, devorando as imponentes e aromáticas paellas – prato que tornou a casa a referência de comida espanhola da cidade-, tomando vinhos e sangrias como se fosse suco, conversando com alegria trazida pela boa comida. O menu é grande, bem grande, porém a maioria de seus itens – como as trutas fritas recheadas com jamón (R$ 68) e os camarões cozidos acompanhados de salada completa e maionese (R$ 130)- é solenemente ignorada. A estrela é a paella.E ela é tratada como uma: imensa (a para duas pessoas dá, tranquilamente, pra três), arroz cozido no ponto certinho, fartura de gordos e frescos frutos do mar, garçom a servindo nos pratos, ao lado da mesa, e aquele aroma se espalhando pelo salão… A Paella Don Curro, dita para 2 pessoas, vem com mariscos, camarões, lulas, frango com pimentão e lagostas misturadas ao amarelo-dourado arroz, temperado com açafrão espanhol (R$ 266; R$ 230 sem lagostas).

Paella Don Curro para 2 pessoas: muitos mariscos, camarões, lulas, frango com pimentão e lagostas misturadas a perfeito arroz com açafrão espanhol

Mas direi uma coisa: o que adoro, que me faz babar e perder o sentido da audição enquanto como, é a lula en su tinta do Don Curro. Para mim, não tem páreo em São Paulo. O molusco é comprado todos os dias de pescadores do litoral norte de São Paulo, por isso você verá que os anéis são pequenos e não aqueles bambolês que acostumamos encontrar em restaurantes e provém de lulas chilenas congeladas. Ali, a lula vem inteira e a tinta é retirada manualmente. O que chega para o comensal – no caso, eu- é uma vasilha com muuuuuuuuita lula macia pacas, afogada em uma tinta nova, repleta de sabor de mar com um toque ferroso, com a qual eu não tenho o menor problema de me sujar. Custa R$ 58 e é uma entrada para dois.

Só continuo não dando bola para as sobremesas: nenhuma me atrai.

O salão- sempre lotado!- do Don Curro

Mas voltarei lá muitas vezes pela dupla su tinta e paella. O bolso pode doer um tiquinho, mas… quem disse que dá ter tudo?

Don Curro: Rua Alves Guimarães, 230, Jardim Paulista, tel.: 3062-4712

Fazer um comentário

Seja bem-vindo. Sua opinião é importante. Comentários ofensivos ou com identidades falsas serão reprovados.