O churrasco coreano (e os sabores agridoces) do Lua Palace


Churrasco coreano "na calota"; acompanhamentos tradicionais do churrasco; macarrão de batata frio, com molho agridoce picante

Nada de grelha ou churrasqueira. Nada de carvão, sal grosso e de pedações graúdos de carne. O churrasco coreano é feito de duas maneira: sobre pedras quentes regadas com óleo de gergelim ou, como comi, sobre uma “calota” de alumínio furada e rodeada de caldo, aquecida por uma chama à gás– e fica em cima da mesa.

Apesar de ter ouvido falar bastante do Lua Palace, restaurante coreano tradicional (existe desde 1992) no bairro da Aclimação, em São Paulo, minha primeira visita foi apenas no final de semana passado. Domingo, 13hs, e a casa já tinha salão lotado. No ar, o vapor aromatizado  pelos diversos tipos de carne regadas com caldo passeava pelo salão. Nas mesas, várias familías coreanas faziam suas refeições típicas de domingo.

 Entre o extenso cardápio de “churrascos”, macarrões e arrozes, pedi o que o garçom disse ser o mais popular, Bol Go Gui: contra filé com tempero adocicado preparado na calota. Minutos depois, começaram a chegar os acompanhamentos: nabo fermentado com pimenta, acelga fermentada (kimchi), gelatina de tofu, costela fria marinada em molho levamente apimentado e doce, conserva de pepino agridoce (o Lua Palace é o reino do agridoce), algas com pepino e arroz. Para o meu paladar, o nabo foi hardcore demais… Contudo, a costela e o pepino estavam deliciosos.

Então chegou a atração principal: uma vasilha imensa, repleta de contra filé beeeeem batidinho, imerso em caldo avermelhado e adocicado. O garçom acendeu a boca de gás da nossa mesa, encheu de caldo as laterais da calota e nos ensinou a comer: “Vá colocando pedaços de carne sobre ela e espere cozinhar. De vez em quando, regue com o caldo para dar mais gosto”. Antes de continuar, um detalhe: todas as receitas de caldos, molhos e afins são mega-secretas. Por ser o coração da receita, os proprietários não dizem nadica sobre elas… Voltando: a carne é sensacional, macia, bem adocicada e combina super bem com os toques ácidos das conservas e kimchis. O único “porém” é que na roupa e nos cabelos o aroma da carne não fica lá muito “totoso”. Preço: R$ 69 para duas pessoas ou R$ 48 para uma.

Para os mais aventureiros, há a versão com língua bovina e com bacon magro na manteiga e pimenta (Sam Guiop Sal Guí).

Olho maior que a boca: minha marca. Não queria sair do Lua Palace sem provar outra: macarrão. De novo fui no mais pedido:  bi bim me yon, macarrão de batata em molho gelado picante de pepino e nabo, com ovo (R$ 26 uma porção tão grande que parecia um balde). O bowl foi colocado à minha frente junto com uma tesoura: os fios, caseiros, tão longos quanto finos, são impossíveis de comer se você não usá-la para cortar a massa.  Sabor delicado, também adocicado, picante, fresco (mesmo com a tesoura me babei toda e saí com molho, literalmente, na franja…).

Para sobremesa,  o item dominante em TODAS as mesas: melancia. Porque? “Os donos dizem que coreano adora melancia e ela serve pra apagar o fogo da pimenta”, disse o garçom. Uma vez em Roma, faça como os romanos.

Lua Palace: Av. Armando Ferrentini, 182, Aclimação, São Paulo, tel.: 3277-7823

Fazer um comentário

Seja bem-vindo. Sua opinião é importante. Comentários ofensivos ou com identidades falsas serão reprovados.