Onde ir Tipos de cozinha Brasileira

Micaela: cozinha brasileira primorosa (como há muito não vejo)

micaela8

Mais um da minha imensa lista de lugares para conhecer. Entro correndo para fugir do calor pós-senegalês de São Paulo. Escolho o salão de cima por ser mais iluminado e arejado. Pinturas de gosto duvidoso, mobiliário simples, paredes de tijolos à vista. Curioso um tom tão rústico no meio dos Jardins. Peço o cardápio e,… leia mais

Santinho: agora também no Museu da Casa Brasileira

Torresmo para acompanhar a boa feijoada do bufê

A chef Morena Leite continua a expansão do Grupo Capim Santo. Depois da abertura do Santinho – bufê de especialidades brasileiras – há mais de dois anos no Instituto Tomie Ohtake, agora é a vez de outro Santinho começar a funcionar no agradável jardim do Museu da Casa Brasileira, na Avenida Faria Lima. O sistema… leia mais

Acarajé da Inês: para comer como se não houvesse amanhã

O acarajé lindão do Acarajé da Inês

Maria Inês dos Santos veio de Ilhéus para São Paulo trabalhar como doméstica. Fechou o restaurante que tinha na Bahia e desistiu da paixão por cozinhar. Por algum tempo. Alguns anos depois, montou uma barraca de acarajé, aos domingos, sua folga, numa feira do bairro de Santana. Dez anos se passaram até que conseguiu abrir… leia mais

Jiquitaia: oásis numa terra de preços altos e comida medíocre

Delicioso arroz de suã do Jiquitaia

Fato: a inflação voltou. Notamos seu nada desejado retorno nas contas do supermercado, nos preços das roupas, nas visitas a restaurantes. Este último item, aliás, é o que mais tem alarmado os paulistanos: para a grande maioria, está ficando proibitivo sair para jantar mais do que uma ou duas vezes por semana. Por isso, mais… leia mais

Esquina Mocotó: Rodrigo Oliveira livre para criar

A Porcaria: dadinhos de tapioca com carne de porco; salames normal, picante e extra picante, fabricados em Catanduva; presunto Salamanca também de Catanduva; compota de cebola roxa; terrine de porco; rillete de Copa Lombo com manteiga de garrafa

“Meu plano de expansão é abrir um restaurante a cada 40 anos”, diz Rodrigo Oliveira, em tom irônico. A brincadeira revela o cansaço do chef que há meses se desdobra entre o tradicional Mocotó, palestras e eventos pelo Brasil, estudo de ingredientes e o comando da cozinha do seu filho mais novo, o Esquina Mocotó…. leia mais

Sotero: sob novo comando, o baiano ficou mais versátil

Pãozinho Delícia de polvo: fofura feita com leite condensado na massa, farinha de trigo, fermento biologico e leite. Parece estranho? Mas é bom DEMAIS

Aberto há dois anos e meio pelo chef baiano Rafael Sessenta – em sociedade com sua sobrinha, Lai Galvão, e seu filho, Rafa Spencer -, o Sotero está mais cosmopolita e versátil. Sessenta e Lai saíram da sociedade e, hoje, quem comanda a casa é Rafael, que já começou a modernizar o restaurante (sem abandonar… leia mais

Bar da Dona Onça: eu me esbaldo, sempre

Panelinha de frutos do mar e feijão branco ao perfume de curry: chucho TODO o pão no molho. Não sobra uma gota

Não existe possibilidade de ir ao Bar da Dona Onça e não pedir os bolinhos de espinafre (R$ 26). Seja porque lembra minha infância – minha mãe sempre fez muitos bolinhos de legumes e verduras para nos fazer aprender a gostar deles -, seja por serem absolutamente leves, feitos apenas com as folhas, sem uma gota… leia mais

Attimo: o grande retorno de Jefferson Rueda

O estupendo Rabada, polenta e agrião em forma de macarrão e a melhor coxinha EVER (no caso, de galinha d'angola com fonduta de catupiry)

Jefferson Rueda é um dos grandes chefs deste país. Expansivo, vozeirão de trovão, sempre inquieto em suas pesquisas gastronômicas e históricas e testes – daqueles profissionais que não “sentam” em cima do sucesso atingido. Que não trocam as panelas por comerciais ou por programas de tv a cabo. Ele nasceu pra cozinhar e é nisso… leia mais

Jiquitaia: delicadeza, cuidado e zero de pretensão

Carne de sol com quiabo e alho assado: simplicidade com ótimo resultado

O novo Jiquitaia, aberto há menos de três meses perto da Frei Caneca, tem salão simples porém bem arrumado. Cardápio curto porém bem resolvido. Preços justos porém… porém nada. É isso: comida boa e claramente bem feita a preços razoáveis. Comandado pelo chef Marcelo Bastos (anteriormente no Porto Rubaiyat), o Jiquitaia trabalha com uma fórmula que… leia mais

Carmen di Granato: menu abrasileirado e ambiente colorido

Arroz tupiniquim com frutos do mar e pequi: farto e bem feito

ESTABELECIMENTO FECHADO O restaurateur Cassio Machado deve ser viciado em adrenalina. Só pode, visto a quantidade de empreendimentos que abriu nos últimos anos, e que continua abrindo: Balneário das Pedras, Farofa Paulista, Ringue Lounge, Rex Food & Drinks… Há quinze dias foi a vez do Carmen di Granato, na Rua Aspicuelta esquina com a Girassol, na… leia mais

Tordesilhas: toda a excelência da comida brasileira

Caipirinha de maracujá feita com cachaça Jacuba e porção de pastel de carne e de queijo coalho: o abre-alas para o almoço

Mara Salles é muito menos celebrada do que deveria. Mara ama e dedica-se ao que faz – coisa rara de se ver em tempos de “chefs” que raramente vão pro fogão e que se interessam mais em ficar famosos e aparecer em revistas do que em exercer sua profissão. Cozinheira talentosíssima, incansável pesquisadora da nossa gastronomia,… leia mais

Menu do Acre no Brasil a Gosto. Conselho? Vá rápido

Lombo de tartaruga - DE CRIADOR CERTIFICADO PELO IBAMA- laminado, com emulsão de óleo de castanha do pará, chicória da Amazônia e alfavaca

Acre. A maior parte dos brasileiros jamais fez turismo por lá. Tampouco sabe algo sobre a culinária do estado. Não por culpa própria, mas porque não temos o menor incentivo governamental para conhecer nosso país: estradas ruins, passagens de avião caríssimas, etc, etc. Riquíssimo em ingredientes, situado em plena floresta amazônica, o Acre é um… leia mais

Na Cozinha: esse pastel aberto é de pirar de bom. Sério.

O delicioso pastel aberto, recheado com pernil refogado com cebola e pimentões e uma boa colherada de requeijão

Não nos esqueçamos de como comida brasileira é boa, rica, saborosa, variada. Nunca. Tudo bem termos ótimos restaurantes franceses, italianos, japoneses, mas não dá para preterirmos nossa culinária só porque não é “cool” sair para jantar baião-de-dois– se bem que, nos últimos anos, o justo reconhecimento de chefs como Alex Atala, Rodrigo Oliveira, Mara Salles… leia mais

Sotero: comida baiana caprichadíssima

Os mais delicados e bem feitos acarajés de São Paulo

São Paulo é carente de boa comida baiana. As casas que a oferecem geralmente pesam a mão, transformando receitas poderosas em massarocas pesadonas, ou fazem pratos pra gringo ver, entupidos de dendê e coentro, todos com o mesmo gosto. Mas eis que, há três meses, o Sotero abriu as portas e o cenário mudou.  … leia mais